Existe saída para crise no transporte?

crise no transporte

No começo desse ano já sabíamos que 2017 seria um período para reaquecer a economia, depois da crise que não só o setor de transporte, mas muitos outros sofreram. Já estamos em setembro e a situação melhorou um pouco, apesar de termos muito ainda pela frente. Alguns estradeiros estão com dificuldades para carregar e essa complicação abrange tanto os mais jovens quanto os mais experientes na área.

A dúvida do parceiro Edimar Souza foi sobre esse assunto. Ele diz:

Será que existe saída para a crise no setor de transporte? Sou motorista categoria E e estou desanimado, sem esperanças.

Edimar, muita gente está desanimada com o setor de transportes assim como você. Até mesmo recebemos relatos de estradeiros que estão deixando a profissão. Ainda sim, se compararmos os anos de 2015 e 2016 com o período que estamos vivendo hoje, podemos observar certo crescimento. O suficiente para estabilizar o setor? Ainda não. Mas temos de reconhecer que houve uma certa melhora.

Vamos aos dados: o transporte rodoviário de cargas é, entre os modais, o que deve ter a recuperação mais lenta após a retomada dos números positivos da atividade econômica brasileira. Isso porque também foi o mais afetado pela queda do PIB (Produto Interno Bruto). Em 2015, o setor caiu 4,6%. O PIB, por sua vez, teve uma retração de 3,1%. As informações são do estudo Custos Logísticos do Brasil, do Ilos (Instituto de Logística e Supply Chain). Esse cenário está associado, ainda, ao aumento dos custos operacionais, que não puderam ser repassados integralmente aos clientes dos transportadores. Por isso, muitos estão operando no vermelho.

Segundo a Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2016, pesquisa realizada pela CNT, 60,1% das empresas de transportes tiveram diminuição de receita bruta em 2016, e 58,8% precisaram reduzir o número total de viagens. Para 74,6%, houve aumento do custo operacional.

 

E 2017?

crise no transporte

2017 vem dando sinais de melhora. Um desses sinais é que, mês após mês, as vendas de máquinas agrícolas crescem. Se os produtores estão comprando é porque querem plantar. Se plantam, devem colher. Se colhem, alguém precisará transportar essa produção para portos, fábricas e comércios. Se realmente vamos alcançar a sonhada safra recorde, provavelmente os caminhoneiros verão aumento de demanda por seus serviços. O aumento de vendas de caminhões no mês de agosto também nos motiva a acreditar que há sinais de reaquecimento do mercado.

Outra razão para acreditarmos que a economia está melhorando são os investimentos estrangeiros em infraestrutura no Brasil, que em 2017 cresceram 500%. Segundo portal Portos e Navios, as atividades ligadas à infraestrutura aumentaram seu peso dentro dos ingressos para participação no capital, de 15,9% para 52,9% no período. Os ingressos em transportes, que envolvem operação de rodovias,  saíram de US$ 44 milhões de janeiro a abril de 2016 para US$ 3,9 bilhões nos primeiros quatro meses deste ano. Paula Toco enumerou outros motivos para ainda termos esperança para o transporte no site do Pé na Estrada. Para ler a matéria, clique aqui.

E você, também tem alguma dúvida sobre o trecho? Fique ligado e acompanhe nossas transmissões ao vivo pela fanpage do Pé na Estrada no Facebook, todas as terças-feiras às 12h30 e as quintas-feiras na página de Pedro Trucão também às 12h30.

Veja também: O que faz o transporte na Europa funcionar?

 

Por Pietra Alcântara com informações da CNT

1