Haddad x Bolsonaro – conheça as propostas de cada candidato para o transporte

caminhoneiros_no_2_turno_destaque

Imagem: Ricardo Stuckert e Carta Capital

As eleições do dia 7 de outubro definiram dois candidatos à presidência para o segundo turno das votações: Fernando Haddad, do PT e Jair Bolsonaro, do PSL. Os dois candidatos representam dois polos opostos da política – esquerda e direita. Mas quem está do lado dos caminhoneiros no 2º turno?

O que eles pensam sobre questões que envolvem os estradeiros, como infraestrutura, preço do combustível e reforma trabalhista?

Continue lendo e entenda:

 

Infraestrutura dos transportes

infraestrutura_caminhoneiros_2_turno

Sobre transportes, Haddad cita em seu programa de governo a recuperação, modernização e expansão da infraestrutura, pretendendo racionalizar a matriz, ou seja, fazer com que o transporte de cargas não dependa majoritariamente do modal rodoviário para funcionar.

Ele também cita fortalecer instituições federais, como o DNIT,  para retomar as funções de planejamento e de regulação de rodovias.

Já o programa de governo de Bolsonaro não fala diretamente sobre infraestrutura do transporte rodoviário de cargas.

 

Preço do combustível

Imagem: Grupo Peixoto

Em relação a preço do combustível, o candidato do PT não promete nada em seu programa de governo, mas enfatiza sua posição contra a privatização da Petrobras. Em entrevista à CBN e ao G1, Haddad criticou a política adotada pelo governo Dilma e pelo atual governo de Temer.

Ele citou o ex-presidente Lula, dizendo que na sua gestão o país teve uma política de preços que levava em conta a rentabilidade da Petrobras e também os seus custos.

Bolsonaro aborda questões em relação ao preço dos combustíveis praticados pela Petrobras, dizendo que os valores devem seguir o mercado internacional até certo ponto. Ele afirma que as flutuações de curto prazo deverão ser suavizadas com “mecanismos apropriados”.

 

Tabela mínima de fretes

tabela_caminhoneiros_2_turno

Fernando Haddad adota uma posição neutra sobre a tabela. “É preciso haver um equilíbrio entre a competitividade da economia e a remuneração justa dos caminhoneiros, de maneira que a retomada do crescimento econômico permita a ampliação da renda dos trabalhadores”, ele declarou ao Estadão.

Jair Bolsonaro já se declarou contrário à tabela de frete, em respeito à posição de seu escolhido para o Ministério da Fazenda, Paulo Guedes. “Tabelar, aí não dá certo”, disse em sabatina realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). “Isso vai na contramão da pessoa que eu confio para tratar nossa economia.”

 

Reforma trabalhista

reforma_trabalhista_caminhoneiros_2_turno

Sobre a Reforma Trabalhista, Haddad promete revogá-la e substituí-la pelo “Estatuto do Trabalho”, uma norma que vai dar mais poder aos sindicatos para organizar modelos de formação dos trabalhadores como estratégia para aumentar a produtividade. O candidato do PT também é contra a Reforma da Previdência.

Sobre a Reforma da Previdência, Bolsonaro afirma que ela é “grande demais”. Ele acrescenta que estuda a questão e cogita propor mudanças graduais nas aposentadorias. Sobre a Reforma Trabalhista, o candidato é favorável.

O que a Reforma Trabalhista muda na vida do caminhoneiro? Entenda clicando aqui.

Agradecimento aos caminhoneiros

Amplamente apoiado pela categoria, Bolsonaro agradeceu aos motoristas de caminhão em sua primeira entrevista oficial após as eleições. Durante as paralisações o candidato também deu depoimentos a favor do movimento, porém, em 2016 foi autor de projeto para punir com prisão quem fechasse rodovias.

E você, também tem alguma dúvida sobre o trecho? Fique ligado e acompanhe nossas transmissões ao vivo pela fanpage do Pé na Estrada no Facebook, todas as terças-feiras às 12h30 e as sextas-feiras na página de Pedro Trucão e na Web Estrada, também às 12h30.

Por Pietra Alcântara

1