Por que no Brasil não rodam caminhões com cabine americana?

cabines americanas

Os modelos de caminhões americanos são famosos ao redor do mundo e enchem os olhos dos amantes das estradas, por suas cabines espaçosas e modelos de veículos bicudos. A estética e o conforto desse tipo de caminhão faz com que muitos se perguntem por que não vemos modelos assim rodando pelas rodovias brasileiras. Você sabe por que no Brasil não rodam caminhões com cabine americana? Venha com a gente que nós explicamos!

Legislação brasileira x norte-americana

cabines americanas

Imagem: Ortiz Veículos

O órgão que define as dimensões legais para caminhões no Brasil é o Conselho Nacional de Trânsito. Segundo o Contran, as dimensões máximas permitidas na Resolução nº 12/98 artigo 1º se referem ao comprimento total do veículo, que é medido baseando-se no comprimento do cavalo + o implemento. Na legislação brasileira, o cavalo mecânico e a carreta são medidos como um só. A dimensões máximas permitidas pela lei por aqui são:

  • Veículo simples: 14,0 m

  • Veículo articulado: 18,15 m

  • Veículo com reboque: 19,80 m

  • Veículo biarticulado: 30,0 m

Na legislação norte-americana – que é bem diferente da nossa, incluindo o detalhe de que por lá cada estado tem sua própria legislação – as dimensões variam. Mas o ponto que define porque as cabines americanas, mais espaçosas, são permitidas por lá e não por aqui, é a forma como as dimensões do caminhão são calculadas.

Ao contrário do Brasil, que considera o conjunto cavalo + carreta na hora de medir, nos Estados Unidos essa medição considera apenas a carreta. Essa diferença de medição permite que as cabines sejam bicudas e bem mais espaçosas que aquelas que rodam pelo nosso país, já que suas dimensões são livres. Confira no link (em inglês) as especificações da legislação norte-americana.

Por que as montadoras no Brasil não reduzem a carreta para aumentar a cabine? Porque, para quem carrega, é economicamente inviável diminuir a capacidade de carga para aumentar a cabine de maneira expressiva.

Quem defende a cabine americana?

Muita gente defende esse modelo de cabine e gostaria que elas fossem viáveis também em nosso país. Há quem diga que falta incentivo das montadoras. Será? Essas empresas estão sujeitas à legislação do país e fabricar caminhões que ninguém vai querer comprar não parece ser um bom negócio para elas.

Outro argumento usado a favor das cabines americanas é a segurança: de fato, uma cabine bicuda protege o motorista em caso de colisões, dianteiras ou traseiras.

Mas uma cabine maior aumenta também o consumo de diesel, o que não é bom para o estradeiro, já que agora a Petrobrás adota uma política de ajuste de preços de acordo com o preço internacional do petróleo, atualizando-os quase todos os dias e, ultimamente, subindo os preços cada vez mais. Se o frete hoje já não está cobrindo o diesel, imagine com um caminhão que gasta mais. 

E você, também acha que esse tipo de cabine deveria rodar pelo nosso país? Por que? Nos conte nos comentários ou nas redes sociais do Pedro Trucão.

 

Por Pietra Alcântara

  • Sergio Gestor de Transito

    Queridos amigos, quanto o aumento do consumo do diesel, vale salientar que a parte do quinhão que cabe a Petrobrás é bem menor em relação a carga tributária do preço do litro do diesel. Vale salientar que os motoresque equipam os cargueiros americanos passam dos 500cv, motivados, dentre outros aspectos, pelo preço do comvustível.

  • Maciel Kunzler

    Tenho uma proposta de mudança no sistema de medição dos veiculos de carga no site Ecidadania, para medir só o compartimento de carga deixando a cabine livre para que as montadoras tragam cabines maiores para o País, se alguém tiver interesse em apoiar segue o link https://www12.senado.leg.br/ecidadania/visualizacaoideia?id=94066

  • SYLVESTER STALLONGE

    Os caminhões americanos são todos eles montados em alumínio, a estrutura da cabine é feita em alumínio reforçado e o chapeamento e feito em alumínio comum, chega a ser mais leve que muitos caminhões brasileiros. Um exemplo é o international 9200 e 9800.

1