sábado, dezembro 5, 2020

4 motivos para otimismo das montadoras em 2020

- Publicidade -

A economia no Brasil está em processo de recuperação. A promessa é de inovação e aumento nas vendas de veículos, que deverão acompanhar aspectos econômicos. Mas qual o motivo para o otimismo das montadoras em 2020?

Leia também: 6 tendências de 2020 para o transporte

Segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), o caminho a percorrer ainda é longo e isso vai influenciar o mercado neste ano.

Confira a seguir 4 motivos para o otimismo das montadoras em 2020.

 

Economia

Para a Volvo, este ano a expectativa é que a inflação siga controlada. Outra coisa que vai influenciar as montadoras é a taxa Selic.

A Selic é a base para a definição de quais serão as taxas aplicadas em financiamentos e consórcios. Em 2020, a taxa Selic alcançou uma mínima histórica, o que abaixa taxas e aumenta créditos, aumentando as chance de vendas de caminhões.

Outro aspecto da economia que motiva o otimismo das montadoras é o PIB. A Scania e a Mercedes-Benz estimam um PIB de 2,5 para o ano de 2020, o que, caso se concretize, vai impulsionar a economia.

 

Pacote de manutenção

Essa é uma tendência que cresce cada vez mais forte nas montadoras e é uma das razões para otimismo em 2020. A Scania, por exemplo, registrou um crescimento de 48% na adesão desse tipo de serviço (no caso, o Programa de Manutenção Scania) em relação à 2019. Se em 2018 foram 10.749 veículos que saíram com pacote de manutenção, em 2019 esse número saltou para 15.950.

O programa com planos flexíveis, em que o próprio caminhão avisa quando deve parar, representou 47% do portfólio. Em 2018 tinha sido 29%.

Para a Volvo, os pacotes também são relevantes. Em 2019, os planos de manutenção atingiram 70% dos caminhões entregues no Brasil.

Já com a Mercedes-Benz, houve 95% de crescimento da venda de caminhões com planos de manutenção em relação ao ano anterior. Foram 5.378 veículos vendidos com o plano em 2018 e 10.460 em 2019. Hoje, 38% dos caminhões já vem de fábrica com planos de manutenção.

 

Frota conectada

Outra tendência é conectividade na frota, vinda direto de fábrica. Os Serviços Conectados da Scania cresceram 96% em 2019, em relação ao ano anterior. Do total, 94% foram caminhões, com 28.200 unidades, e 6% foram ônibus, com 1.800 unidades.

A estratégia da montadora é oferecer duas opções de pacote: o Análise, que é gratuito por 10 anos, e o Desempenho, que é pago e é mais completo, segundo a Scania.

A Volvo também avançou em conectividade em 2019. A montadora divulgou que são 58 mil caminhões conectados rodando na América Latina e 10.288 caminhões cobertos pela Manutenção Inteligente Volvo no continente.

A Mercedes-Benz divulgou aumento de 5% em 2019 nas ativações do Fleetboard, que é o sistema de conectividade da marca. Eram 5.300 caminhões vendidos com o sistema em 2018. No ano passado, foram 5.560 caminhões.

O sistema foi ativado em 40% dos caminhões vendidos durante o ano, mostrando que a conectividade tem sido cada vez mais demandada na hora da compra.

 

Energias renováveis

combustivel
Combustíveis fósseis podem ter uso reduzido no transporte terrestre.

A cada ano, o uso de combustível e energias renováveis tem sido mais destacado. No Brasil, a Anfavea defende o uso do etanol e do gás como opção aos combustíveis fósseis, uma vez que o país tem fontes naturais para que veículos assim rodem pelas estradas brasileiras.

Nas coletivas no início deste ano, as montadoras falaram sobre o uso de veículos GNV, a gás natural. Tanto Volvo quanto Mercedes-Benz afirmaram possuírem veículos que atendam essa necessidade, porém ainda não vão divulgar informações sobre o funcionamento no Brasil.

Para a Scania, os caminhões a gás são realidade. O modelo R410 6×2, movido a GNV e/ou biometano, teve sua primeira demonstação feita em parceria com a Citrosuco em 2018, operação que segue aé hoje.

Em Pernambuco, o R410 6×2 está na fase de testes desde o início de dezembro de 2019. Serão de três a cinco meses de testes, em que cerca de 30 toneladas de açúcar serão transportadas ao longo de 200 km, diariamente, na região.

otimismo das montadoras
Caminhão GNV da Scania | Imagem: Divulgação

A Scania divulgou que o caminhão é 15% mais econômico em relação aos motores a diesel, e que seu uso pode reduzir até 15% as emissões de CO2 se abastecido com GNV (Gás Natural Veicular) e até 90% se utilizado com biometano. A montadora quer entregar para o mercado o R 410 a partir de abril deste ano.

Além disso, na última Fenatran, a Scania também anunciou parceria com a Ambev para o funcionamento dos primeiros caminhões pesados do Brasil movidos 100% a gás liquefeito. São dois caminhões GNL, do modelo R410 6×4.

otimismo das montadoras
Caminhão usado pela Ambev em parceria com a Scania | Imagem: Divulgação

Para ônibus, a Scania está no processo de homologação do ônibus GNV e/ou biometano no Brasil. A homologação depende de três fases: do chassi, da carroceria e do sistema de abastecimento do gás. A do chassi foi finalizada e ainda faltam as outras duas etapas.

otimismo das montadoras
Ônibus urbano movido a gás | Imagem: Divulgação

Com opções urbanas e rodoviárias, a previsão da Scania é que os ônibus estejam disponíveis para vendas a partir do segundo semestre de 2020.

Outro destaque de veículo que não usa combustíveis a combustão é o e-Delivery, da Volkswagen, que é elétrico e com tecnologia desenvolvida no Brasil.

e-Delivery
O urbano é a porta de entrada para veículos comerciais elétricos

O e-Delivery começou a ser testado em 2017 em parceria com a Ambev. Os testes reproduziram as rotas mais comuns feitas pelos caminhões na entrega e distribuição de bebidas da Cervejaria Ambev na cidade de São Paulo.

Em 2 de outubro do ano passado, a Volkswagen apresentou o e-Delivery na Suécia. Segundo Roberto Cortes, CEO da montadora, existe interesse real no produto brasileiro.

Os testes nas primeiras unidades já duram mais de 1 ano e os resultados, segundo a empresa, são satisfatórios. Segundo a Ambev, foram mais de 11 toneladas de CO2 que deixaram de ser emitidas na atmosfera. Com o uso do e-Delivery, a empresa deixou de consumir mais de 3.300 litros de diesel no período.

O único problema, segundo os motoristas, é que o silêncio faz com que as pessoas não percebam a proximidade do veículo, por isso, o motorista precisa de mais atenção. Saiba mais clicando aqui.

 

Por Pietra Alcântara

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Você pode gostar
posts relacionados