segunda-feira, setembro 20, 2021

Alta dos combustíveis no IPCA traz alerta às empresas do transporte

Dia 12 de julho o o IBGE divulgou o resultado do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) referente ao mês de junho de 2021, trazendo alerta às empresas do transporte, devido a nova alta no subgrupo de combustíveis. 

As informações também foram publicadas pela CNT. O setor de transportes foi o que mostrou a maior variação acumulada em 12 meses, de 15,05%, considerando todos os grandes grupos de atividades que compõem o índice.

O setor de transporte foi o que mostrou a maior variação, de 15,05%, considerando todos os grandes grupos de atividades que compõem o Índice
O setor de transporte foi o que mostrou a maior variação, de 15,05%. (Fonte: CNT/IBGE)

O aumento do preço dos combustíveis registrado pelo Índice

Dentro do grupo de transportes, o subgrupo de combustíveis foi o que apresentou a maior alta, de 43,92% em 12 meses, comparado com a categoria referente a veículo próprio (5,50%), sendo o subgrupo de transporte público o único com queda (-0,81%).

Em relação aos combustíveis, o maior acúmulo de aumento se mostrou no etanol, sendo 59,61%, seguido da gasolina (42,21%), e do óleo diesel (40,74%). Vale notar que o valor acumulado em 12 meses para os combustíveis foi em grande parte influenciado pelos aumentos acelerados dos preços entre fevereiro e março de 2021.

Dados dos subgrupos do IPCA (Transporte)
O subgrupo de combustíveis foi o que apresentou a maior alta, de 43,92% em 12 meses. (Fonte: CNT/IBGE)

Veja Também: Mesmo com queda do dólar, diesel tem aumento de preço

Diante da crise hídrica atual vivida pelo país, o acréscimo do preço da energia elétrica (1,95%) mostrou grande contribuição para a inflação ocorrida em junho. As estiagens influenciaram igualmente o aumento do preço do etanol entre maio e junho (2,14%).

No que tange aos combustíveis, a gasolina, o etanol e o óleo diesel também mostraram aumento de preços tanto em maio (2,87%, 12,92% e 4,61%, respectivamente) quanto em junho (0,69%, 2,14% e 1,10%, respectivamente). Esse resultado contrasta com as quedas de preço dos combustíveis observadas em abril, no contexto de políticas de isenções tributárias e cortes de exigência do teor do biodiesel no diesel no período.

Porcentagem do aumento nos preços dos combustíveis, de abril a junho de 2021.
Porcentagem do aumento nos preços dos combustíveis, de abril a junho de 2021, respectivamente. (Fonte: CNT/IBGE)

A alta no índice IPCA

O IPCA geral, no acumulado dos últimos 12 meses (8,35%), está bem acima do teto da meta (5,25%), definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Caso continue sofrendo pressões, ou seja, se a inflação continuar aumentando, o Banco Central pode rever para cima as metas da taxa básica de juros da economia brasileira (Selic), que já sofreu três aumentos em 2021, chegando ao nível atual de 4,25%, em vista de, entre outras razões, estimular a poupança, tornar mais caro o acesso ao crédito e diminuir o ritmo de reaquecimento da demanda da economia.

O impacto no setor de transportes

Esse cenário pode não ser favorável para o transportador. Para as empresas do setor, o impacto mais direto deve ocorrer na tomada de crédito com custo maior, dificultando alguns  investimentos em um período de crise por conta da pandemia de coronavírus. Outro risco é o possível desaquecimento da economia, que pode diminuir a procura pelas atividades e serviços do meio, importante intermediário entre o produtor e o consumidor, podendo acender um sinal de alerta nas empresas do transporte.

Caminhoneiros cobram a redução de impostos ligados aos fretes de carga, com base na Lei 13703/18, sobre a Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas
Caminhoneiros cobram a redução de impostos ligados aos fretes de carga, com base na Lei 13703/18, sobre a Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas. (Fonte: Grupos de WhatsApp)

Outro impacto no setor por conta do aumento no preço dos combustíveis é a ameaça de greve. O aumento e a imprevisibilidade dos valores têm despertado forte descontentamento em transportadores e motoristas autônomos. Autônomos alegam que o aumento visto no diesel não é repassado ao frete, inviabilizando a atividade. 

Movimentos entre os dias 25 e 26 de julho não evoluíram para um greve generalizada, mas demonstraram que o setor está pressionado, situação parecida com o cenário de 2018.

Por Daniel Santana com informações da Agência CNT Transporte Atual

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Inscreva-se nos nossos informativos

Você pode gostar
posts relacionados