sexta-feira, junho 18, 2021

ANTT recolhe sugestões da população sobre a tabela mínima de frete

A tabela mínima de frete foi aprovada pelo Senado e agora será encaminhada para aprovação da presidência. O novo texto, ao invés de fixar valores mínimos para o frete, determina que a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) defina o piso. Por isso, a ANTT está aceitando sugestões da população sobre a tabela.

revisao_da_nova_tabela_de_frete
Estradeiros e população em rodovia durante a greve dos caminhoneiros.

O processo de fixação dos pisos mínimos de frete deverá ser técnico, ter ampla publicidade e contar com a participação de representantes dos embarcadores da mercadoria, dos contratantes dos fretes, das cooperativas de transporte de cargas, dos sindicatos de empresas de transportes e de transportadores autônomos de cargas.

De acordo com o texto, caberá à ANTT regulamentar essa participação, considerando também os custos operacionais dos motoristas de caminhão, que incluem gastos com diesel e manutenção do caminhão. Por esse motivo, a agência disponibilizou um email exclusivo para que a população possa enviar suas contribuições sobre a tabela.

A população pode opinar sobre mudanças na tabela, formas de fiscalização e punição pelo e-mail ts09_2018@antt.gov.br. As contribuições podem ser enviadas até às 18h do dia 03/08/2018.

Para chegar a um valor mínimo de frete, a agência considerará ainda informações como o quilômetro rodado por eixo carregado, as distâncias e as especificidades das cargas (carga geral, a granel, de frigorífico, perigosa ou neogranel).

A norma da ANTT deverá conter ainda a planilha de cálculos usada. O texto proíbe qualquer acordo individual ou coletivo para a cobrança de valores inferiores ao piso.

 

Por que é importante?

Desde seu surgimento, a tabela mínima de frete divide opiniões. Caminhoneiros comemoram a chegada da tabela que fixa um valor mínimo para o frete, mas concordam que ela deve ser revista pois é calculada por eixos e isso exclui algumas configurações de caminhões, além de outros problemas.

Já o agronegócio é contra a tabela e afirma que ela é inconstitucional, tornando os custos com transportes “inviáveis”. Diversos representantes do setor entraram com ações na Justiça contra a tabela de frete, além do deputado Evandro Gussi, que alega ilegalidade na aprovação da mesma.

Todos esses representantes tem condições – e o dever – de comparecer a Brasília e participar de audiências públicas para expor suas opiniões sobre a tabela. Mas o cidadão comum, seja ele estradeiro ou não, nem sempre tem disponibilidade para isso.

Por esse motivo, é muito importante aproveitar o canal criado pela ANTT para expor suas opiniões e sugerir melhorias na tabela, seja você do setor de transportes ou não. É uma chance para todos aqueles que tem interesse direto na tabela se manifestarem e sugerirem soluções para que o preço do frete seja aplicado de maneira justa tanto para motoristas quanto para embarcadores.

 

Por Pietra Alcântara

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Você pode gostar
posts relacionados