quinta-feira, abril 15, 2021

Após 3 anos, Mercedes reativa segundo turno na produção de ônibus

A Mercedes-Benz anunciou nesta terça-feira, 27, que reativou o segundo turno da produção de ônibus na fábrica de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista. Desde 2016 a fábrica só produzia ônibus em turno único.

Leia também: STF adia decisão sobre inconstitucionalidade da tabela

segundo turno mercedes benz

O ritmo de produção foi aumentado graças a venda de 1,6 mil ônibus para o serviço de transporte público da cidade de São Paulo. Segundo a Mercedes-Benz, este é o maior lote já vendido para a capital paulista. As entregas devem começar em dezembro deste ano.

Segundo Philipp Schiemer, presidente da Mercedes-Benz do Brasil, a previsão para 2019 é que o mercado de ônibus novos seja de aproximadamente 18 mil unidades. A estimativa é de crescimento de aproximadamente 25% na comparação com 2018, quando foram emplacados 14,4 mil exemplares.

Desde o ano passado, a Mercedes afirma que contratou 1,1 mil pessoas para trabalhar na unidade do ABC paulista, que também produz caminhões. Por isso, não haverão novas contratações específicas para a linha de ônibus.

Agora, a fábrica opera em 2 turnos na produção de ônibus e caminhões, e em 3 turnos na fabricação de peças agregadas. No entanto, Schiemer disse que a ociosidade ainda é de 40% — menor do que era há um ano.

 

Crescimento depende de reformas

Schiemer também comentou sobre o mercado de caminhões e a expectativa para os negócios em 2020. Segundo o executivo, os resultados devem ser influenciados pelo andamento das reformas – especialmente da previdência e tributária.

“O mercado ainda está mostrando uma recuperação. O risco de o trem descarrilar é menor. Mas gostaríamos que caminhasse com mais velocidade. Os avanços são lentos para a economia real”, falou.

A Mercedes acredita que o crescimento atual está sendo puxado pela renovação de frota de setores como agronegócio e transporte de líquidos, e não aumento na compra para expandir frotas.

A empresa também vê com bons olhos o acordo entre União Europeia e Mercosul. “O Brasil precisa de abrir para o mundo. Mas precisa de reformas para ser competitivo. O tempo para entrar em vigor é suficiente para se preparar”, completou.

 

Por Pietra Alcântara com informações do Auto Esporte

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Você pode gostar
posts relacionados