sábado, setembro 26, 2020
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Coronavírus impacta atividade portuária no Brasil

- Publicidade -

Até a publicação desta matéria, existem cerca de 34 casos de coronavírus confirmados no Brasil, segundo o Ministério da Saúde. Nesta quarta-feira, 11, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que a doença pode ser considerada uma pandemia. Aos poucos, o vírus afeta a atividade portuária brasileira, com impacto nas importações e nas exportações.

A frequência de chegada de navios vindos da China diminuiu e isso provoca desabastecimento em hubs voltados para montagem de produtos eletrônicos, como a Zona Franca de Manaus.

Falamos sobre isso na Web Estrada! Se você perdeu o programa ao vivo, ouça agora clicando aqui.

atividade portuaria
Porto de Suape/PE | Imagem: Complexo Industrial Portuário de Suape

Outro efeito colateral, que deve ficar evidente na segunda quinzena do mês de acordo com a CNT, é a escassez de contêineres para atividade portuária.

Em seu relatório mais recente, a Maersk – empresa de logística integrada de contêineres – aponta que a China está em fase de recuperação e opera com 80% da capacidade industrial. No entanto, os dias parados por conta da quarentena provocaram atraso nos principais terminais do país, localizados em Xangai, Xingang, Tanjin e Ningbo.

“A gente calcula que as chegadas da China caíram uns 30%. Se perdurar a situação do vírus, a queda pode ser de 45% a 50%”, calcula José Roque, diretor-executivo da Sindamar (Sindicato das Agências de Navegação Marítima do Estado São Paulo).

A preocupação de Roque, contudo, é com a escassez de contêineres. O setor opera mundialmente com uma lógica de balanceamento: para cada equipamento que dá entrada, outro deve deixar o porto. “E, ultimamente, para cada dois que chegam, damos saída em cinco”, confirma.

“A carga de exportação, por enquanto, não está sendo afetada”, tranquiliza. “Mas a retenção do equipamento na China por falta de desembaraço alcança os equipamentos especiais. Estamos falando de contêineres tipo reefer (refrigerado), open top (teto aberto) e flat rack (sem teto e paredes laterais, para cargas maiores)”, detalha.

O escoamento da próxima safra de frutas vindas do Nordeste será um teste importante para a atividade portuária no Brasil e dirá se a situação foi normalizada.

 

Adaptado de CNT

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Você pode gostar
posts relacionados