quinta-feira, junho 17, 2021

Duplicação da ferrovia Campinas-Santos entra na reta final

As obras de duplicação da ferrovia Campinas-Santos, iniciadas em 2011, entraram na reta final. Foram R$ 730 milhões investidos para ampliar a capacidade do principal corredor ferroviário de exportação do País. A linha é operada pela Rumo, maior concessionária de ferrovias do País.

Trecho duplicado da ferrovia Santos-Campinas
Trecho duplicado da ferrovia Santos-Campinas

Os trechos duplicados vêm sendo liberados gradualmente para o tráfego ferroviário. Com a duplicação, a capacidade da ferrovia poderá aumentar 3,5 vezes – de 2 milhões para 7 milhões de toneladas/mês. Mas isso ainda dependerá de outros investimentos nas estruturas de acesso aos terminais e em novas moegas ferroviárias.

O projeto de duplicação da ferrovia Campinas-Santos resultou na construção de segunda via em 204 quilômetros dos 264 totais. Cerca de 19 quilômetros cortam regiões de relevo acidentado e continuarão sendo percorridos em linha simples. Outros trechos foram duplicados antes das obras executadas nos últimos cinco anos.

A última fase da duplicação ferroviária refere-se a 38 quilômetros distribuídos em dois trechos: de Embu-Guaçu a Evangelista (próximo à cidade de São Paulo) e de Paratinga a Perequê (na região de Cubatão). A execução desta fase começou em abril de 2014, após emissão de licença pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Uma obra de 2,5 quilômetros, na região de Cubatão, encerrou a construção ferroviária em junho.

Os investimentos continuam. Serão ainda construídas de quatro passarelas, muros de segurança e nove viadutos para eliminação de cruzamentos com ruas. A ferrovia Campinas-Santos corta 16 municípios e, para a duplicação, foram construídos um túnel e 35 pontes e viadutos.

A Rumo acredita e diz estar se preparando para crescimento contínuo no transporte ferroviário até Santos, principal destino dos produtos agrícolas movimentados pela empresa. O transporte de grãos deverá aumentar 85% em dez anos. De 15 milhões de toneladas, registrados em 2015, são esperadas 28 milhões de toneladas, em 2025, segundo estimativas da Companhia. Esse incremento beneficia principalmente o escoamento da produção de soja e milho de Mato Grosso e de açúcar do interior de São Paulo.

Duplicação da ferrovia Campinas-Santos em reta final
Duplicação da ferrovia Campinas-Santos em reta final

 

Transporte

 

A duplicação da ferrovia Campinas-Santos eleva a participação do transporte ferroviário nas exportações de grãos, analisa do vice-presidente de Operações das malhas Norte e Paulista da Rumo, Daniel Rockenbach. “O Brasil vem ampliando continuamente a produção e a exportação de produtos agrícolas”, diz o executivo. “Os investimentos que viabilizam essa expansão são decisivos para o desenvolvimento econômico do País.”

Em 2015, milho, soja e farelo de soja representaram 53% do volume transportado pela Rumo. Os três produtos somaram 24,9 milhões de toneladas circulando sobre os trilhos. A Companhia opera ferrovias em São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso. Nos seis estados onde atua, a Rumo programa investimentos de R$ 9,4 bilhões para os próximos cinco anos.

Com a ampliação do transporte de produtos agrícolas, as ferrovias serão responsáveis pelo escoamento de uma parcela maior de grãos para exportação. O volume transportado pelos trens terá sua participação elevada de 49% para 68% nas exportações de grãos via Porto de Santos.

Adaptado da Assessoria de Imprensa 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Você pode gostar
posts relacionados