segunda-feira, setembro 20, 2021

EUA quer habilitar jovens a partir dos 18 anos para dirigir carretas

A falta de caminhoneiros tem sido um desafio para o governo dos EUA. Por esse motivo, um projeto de lei foi criado para incentivar a entrada de motoristas para o segmento de transporte rodoviário de cargas. O plano é habilitar jovens dos 18 aos 21 anos para dirigir carretas. Mas será que isso vai dar certo?

Porta-vozes da ATA (Associação Americana das Transportadoras de Carga) apontam várias razões para a escassez de motoristas estradeiros nos EUA. Ficar fora de casa por dias e questão salarial são apontadas como algumas das causas. Outras entidades acham que tal déficit está ligado ao crescimento da economia local e, por consequência, ao aumento da oferta de empregos.

Com o objetivo de aumentar a oferta de profissionais, três senadores em Washington DC – todos do Partido Republicano – entraram com projeto de lei admitindo que jovens “a partir dos 18 anos de idade possam dirigir carretas nas puxadas interestaduais, sob certas condições”.

Assim, a futura lei pelo Desenvolvimento de Indivíduos Responsáveis para uma Economia Vibrante (sic) cria um programa de treinamento dedicado, que permite habilitar jovens menores de 21 e torná-los estradeiros.

Os planos são de ofertar um aprendizado que capacite a operação segura de veículos comerciais, “acima dos padrões mais rigorosos de segurança e exige carga de 400 horas de trabalho na atividade como um todo, sendo um mínimo de 240 horas de direção, acompanhado de instrutor experiente”. É o que propõe o texto a ser votado.

Vale a pena ser caminhoneiro em outro país? Veja o que Pedro Trucão falou sobre o assunto.

 

Segurança

Visando a segurança dos jovens motoristas, o projeto especifica que o caminhão usado no treinamento seja equipado com sofisticada tecnologia de segurança, incluindo sistemas de frenagem ativa para a mitigação de colisões. Pede ainda monitoramento por câmeras de gravação de eventos e, finalmente, velocidade máxima de 60 milhas/hora (104 km/h), controlada diretamente no dispositivo de injeção do motor ou outro recurso do câmbio.

Veja também: Como estamos formando futuros motoristas?

O presidente da ATA, Chris Spear, concorda que a lei do Dirigir Seguro (Drive-safe act) “poderá abrir a porta para milhões de americanos à procura de uma carreira e acesso à classe média, graças ao treinamento desses mais jovens de ambos os sexos, os quais movimentarão os caminhões de forma segura e confiável”.

Já Mark Allen, presidente da Associação Internacional de Distribuidores de Alimentos (embarcadores), além de aprovar a iniciativa, espera que o projeto “reforce a cultura da direção segura, acima dos padrões vigentes”.

A futura legislação conta com apoio de várias entidades classistas patronais, mas há divergência. A Associação de Autônomos lLocais assinou manifestação de autoria de vários grupos relacionados com o assunto, opondo-se à liberação. A entidade acha que “a habilitação dessa juventude tão verde vem em detrimento da segurança rodoviária, passando ao largo da questão salarial, que é causa central da escassez de motoristas”.

Confira também: Como faço para trabalhar como caminhoneiro no exterior?

 

E você, o que acha do projeto de lei estadunidense?

 

Adaptado de Carga Pesada

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Inscreva-se nos nossos informativos

Você pode gostar
posts relacionados