Um relatório apresentado aos pesquisadores da indústria de caminhões na reunião anual do Transportation Research Board concluiu que o pagamento recebido pelos motoristas de caminhão é insuficiente e, para compensar o salário baixo, muitos acabam aceitando trabalhar em jornadas extensas e cansativas. Membros do Comitê de Pesquisa da Indústria de Caminhões discutiram também assuntos como o estacionamento de caminhões, horas de descanso e a relação entre o pagamento dos caminhoneiros e sua segurança.

salarios_insuficientes

Mike Belzer, professor na Universidade de Wayne State, em Detroit, traz em sua pesquisa uma nova análise sobre o motivo de muitos caminhoneiros trabalharem durante jornadas extremamente longas e às vezes excederem os limites legais.

“Muitas explicações foram encontradas ao longo dos anos sobre porque os motoristas de caminhão acabam em jornadas tão longas”, observa Belzer em um artigo desenvolvido em parceria com o pesquisador Stanley Sedo. “Alguns argumentam que os motoristas são gananciosos e dirigem quantas milhas quiserem e, por isso, trabalham o máximo de horas que podem. Outros argumentam ainda que os motoristas de caminhão são fora da lei e têm um ‘gosto’ pela velocidade e imprudência”.

A resposta real

Mas o pesquisador deixa claro que esses argumentos são infundados. A resposta real, segundo Belzer, é que o pagamento dos caminhoneiros é muito baixo e “a única maneira de ganhar a vida é exceder os padrões razoáveis ​​de tempo de trabalho”. Ele ainda acrescenta que estradeiros com a taxa de milhagem mais baixa trabalharão mais horas à medida que a compensação aumentar, mas somente até um máximo estimado de 70 horas por semana. 

pagamento dos caminhoneiros
Aumentar o pagamento dos motoristas não fará com que eles trabalhem mais horas. Segundo a pesquisa, a medida que o valor da milhagem aumenta, os motoristas tendem a diminuir as horas trabalhadas, uma vez que conseguem o suficiente para se manter.

“À medida que a média do pagamento aumenta, os motoristas reduzirão as horas de forma contínua, com as horas médias estimadas retornando ao limite legal de 60 horas por semana à uma taxa de milhagem de 60 centavos por milha em dólares”, conclui Belzer. Essa valor é cerca de 50% maior do que a média paga por milhagem do motorista de caminhão atualmente e é o principal motivo pelo qual a indústria norte-americana enfrenta uma falta crônica de caminhoneiros e um alto volume de negócios. “Se a média dos pagamentos aumentar, os motoristas trabalharão por jornadas mais curtas, tornando-as mais seguras e saudáveis”, explica Belzer.

pagamento_dos_caminhoneiros
É necessário que a média dos salários aumente para não seja preciso trabalhar por longas jornadas.

Pesquisas sob o mesmo tema

Lisa Mullings, CEO da Natso Inc., uma associação comercial que representa o setor de transporte rodoviário de cargas, informou que um estudo está em andamento para atualizar uma análise de 2010 sobre se há uma correlação entre a capacidade de estacionamento do caminhão e a presença de áreas comerciais de repouso nas rodovias interestaduais. Os resultados serão divulgados no final de janeiro e espera-se que eles confirmem uma correlação negativa entre a comercialização da área de descanso e o estacionamento de caminhões por milha da estrada.

Guang Chen, pesquisador do Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional, está realizando um estudo do North America Fatigue Management Program para ver se isso faz uma diferença real em termos de segurança. O estudo, que abrangerá 150 motoristas, metade dos quais são Longhaul e metade são de base regional, está sendo conduzido sob contrato com o NIOSH.

Outros projetos incluem um estudo do pesquisador independente Richard Bishop para o estado da Flórida para ajudar a preparar funcionários do estado para a estréia do pelotão de caminhões. A Battelle Inc., uma empresa de pesquisa de contrato sem fins lucrativos, também iniciou um projeto para identificar questões de segurança para caminhoneiras mulheres.

Adaptado de Transport Topics

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here