domingo, agosto 1, 2021

Policial abre caminho para passagem de bicho-preguiça na BR 101

Na manhã da última quarta-feira, 2, uma cena inusitada parou o trânsito da BR 101 em Sooterama, interior do Espírito Santo. Paralisação de caminhoneiros? Acidente? Na verdade, o trânsito parou graças a um sargento da Polícia Militar que interrompeu o fluxo de veículos para que um bicho-preguiça atravessasse a rodovia.

O policial, que inicialmente havia confundido o animal com uma folha, percebeu a tempo do que se tratava quando a preguiça se movimentou. Como o local é próximo de uma reserva ambiental, a velocidade permitida é de 60km/h, o que ajudou a salvar a vida do bicho, como conta o Sargento Coutinho.

Confira também: Animais silvestres atravessando a pista

“Eu estava vindo de São Mateus e indo para Linhares quando avistei na pista um negócio que parecia uma folha. Mas depois percebi que se movimentava e logo vi que era um bicho-preguiça. Parei o carro atravessado e liguei o pista alerta. Um amigo da polícia vinha atrás e também parou. Cercamos a BR 101 para deixar o animal acabar de atravessar. A preguiça saiu de uma lado da mata e seguiu em direção ao outro lado. Quando ela adentrou à mata, seguimos viagem”, relata Coutinho.

Veja o vídeo da travessia do bicho-preguiça no portal Gazeta Online.

 

Atropelamento de animais

O atropelamento de animais em rodovias próximas a áreas de reserva é um problema no país. Uma pesquisa publicada pelo Instituto Homem Pantaneiro aponta que seis animais silvestres morrem atropelados diariamente na BR 262, estrada que cruza o Pantanal de Mato Grosso do Sul.

Animais silvestres como bichos-preguiça, tamanduás, capivaras e até jacarés são as principais vítimas. Por serem animais de pequeno e médio porte e relativamente lentos, muitos acabam sendo mortos por veículos em alta velocidade nas estradas.

Uma pesquisa do Instituto Homem Pantaneiro (IHP) aponta que o atropelamento é um dos fatores que mais fortemente ameaça a fauna brasileira: “São 475 milhões de animais mortos nas estradas do Brasil todos os anos, uma taxa maior que a do próprio desmatamento”, afirma o coronel Ângelo Rabelo, que trabalha no Pantanal há mais de 30 anos.

Existe solução para esse problema? Confira na matéria clicando aqui.

 

Por Pietra Alcântara

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Você pode gostar
posts relacionados