sexta-feira, outubro 30, 2020
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Portugal tem déficit de 5 mil caminhoneiros e recorre a brasileiros

- Publicidade -

Ao passo que no Brasil há uma quantidade grande de profissionais da estrada para pouca oferta de emprego, estima-se que Portugal tem déficit de 5 mil caminhoneiros. Por isso o país tem recorrido cada vez mais a profissionais estrangeiros, especialmente brasileiros, para assegurar seu sistema de transporte de cargas.

Portugal tem deficit de 5 mil caminhoneiros

Leia também: EUA enfrenta falta de caminhoneiros para transporte petrolífero

Dados do setor publicados pelo Jornal de Notícias indicam que, no último ano, cerca de 2 mil caminhoneiros brasileiros foram contratados em Portugal, além de outros mil da Venezuela.

A dificuldade para contratar esses motoristas é tão grande que empresas portuguesas oferecem bônus para o recrutamento no exterior.

 

O porquê do déficit

O déficit de caminhoneiros profissionais em Portugal deve-se a uma conjunção de fatores, especialmente salariais. Enquanto a remuneração base no país é de 630 euros, cerca de R$ 2.800,00, o valor mais do que dobra em outros países da Europa, como França e Alemanha.

Graças às políticas da União Européia, que permite e que portugueses trabalhem legalmente nos países que contém o bloco econômico, muitos caminhoneiros portugueses preferem exercer a profissão nos países vizinhos.

Além disso, há um forte envelhecimento do segmento e dificuldade de atrair jovens para a carreira atrás do volante.

A idade mínima de 21 anos, prevista em lei, também é outro fator problemático para o setor, “um hiato temporal indesejável entre o fim da escolaridade obrigatória e a possível entrada nesta profissão”, afirma a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias via Folha, que congrega mais de 200 empresas do setor.

 

Vantagens para o brasileiro?

Além de falarem a mesma língua, os brasileiros contam com um convênio bilateral que permite converter a CNH brasileira em carta de condução portuguesa. O benefício, no entanto, é válido apenas para brasileiros que comprovem residência legal em território português.

No caso da troca de habilitação para veículos pesados (categorias C, D e E), é necessário um curso adicional, exigido em toda a União Europeia. A formação varia entre 30 e 140 horas, dependendo do tipo e do tempo de habilitação do condutor.

As exigências para atuação no mercado europeu, que obedece a rígidas regras de segurança e regulamentação, acaba frustrando motoristas que chegam a Portugal sem a documentação adequada.

Por isso, antes de mergulhar de cabeça na empreitada de ser motorista em um país estrangeiro, pesquise para saber quais são as exigências para exercer a profissão naquele país. Já falamos deste assunto no Como faço para trabalhar como caminhoneiro no exterior? – clique para saber mais.

Leia também: Presidente de Portugal faz viagem de caminhão para entender realidade dos motoristas

 

Por Pietra Alcântara com informações da Folha de S. Paulo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Você pode gostar
posts relacionados