segunda-feira, abril 19, 2021

Postos serão obrigados a informar composição do preço do combustível

Postos de gasolina serão obrigados a informar a composição do preço do combustível aos consumidores. A decisão veio pelo decreto nº10.634, editado pelo Presidente da República, Jair Bolsonaro, e publicado nessa terça-feira, 23, no Diário Oficial da União. O decreto entrará em vigor em 30 dias a partir da data da publicação.

composicao do preco do combustivel

O valor cobrado por combustíveis na bomba, deve ser mostrado em painel e em local visível, constando:

  • O valor médio regional do combustível no produtor ou no importador;
  • O preço de referência usado para a cobrança do ICMS, que é cobrado pelos estados, e o valor do imposto;
  • O valor do PIS/Cofins e da Cide, ambos cobrados pela União.

De acordo com a Secretaria-Geral da Presidência da República, “a medida prevê mais clareza dos elementos que resultam no preço final e dará noção sobre o real motivo na variação de preços”. 

Veja também: Começa a valer novo aumento no preço dos combustíveis

Além da composição do preço do combustível ser mostrada no painel, o decreto exige que os postos informem aos consumidores sobre descontos vinculados a programas de fidelização, exibindo o preço real, o promocional e o valor de desconto.

As informações são do portal G1

Preço do combustível e pressão dos caminhoneiros

O aumento do preço dos combustíveis na última quinta-feira, 18, pela Petrobras, irritou setores do transporte, principalmente caminhoneiros autônomos, e fez com que algumas associações cobrassem Jair Bolsonaro para reduzir impostos à categoria. Logo após o anúncio feito pela estatal, Bolsonaro disse que iria zerar temporariamente o imposto federal sobre o diesel pelos próximos dois meses.

No dia seguinte, após criticar mais um aumento, Bolsonaro decidiu trocar o comando da Petrobras. O presidente indicou um militar, o general Joaquim Silva e Luna, atual diretor da Itaipu Binacional, para assumir o posto de presidente da estatal ocupado atualmente por Roberto Castello Branco. Bolsonaro nega que a ação seja uma interferência, de acordo com o site UOL.

Para que a troca seja feita, é preciso que o Conselho de Administração da Petrobras, que contém 11 membros, aprove a mudança. Enquanto isso, a atual diretoria da Petrobras segue trabalhando até o dia 20 de março, data do fim do mandato.

Nessa terça-feira, Bolsonaro editou um decreto que prevê mostrar detalhadamente ao consumidor os valores que compõem o preço final dos combustíveis. No início do mês, o presidente já havia reclamado da ausência de informação do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) à população.

Segundo ele, quando é emitida a nota fiscal, ela dá a entender que somente o governo federal cobra impostos sobre o diesel. O ICMS é o imposto estadual que afeta o preço do diesel, e o projeto de lei apresentado por Bolsonaro, que propõe alterar a forma como o ICMS é cobrado, virou motivo de conflito entre presidente e governadores.

Segundo dados da CNN, 24% do preço do diesel é imposto, em que aproximadamente 10% são de impostos federais e 14%, na média nacional, são dos estados.

O preço do óleo diesel é uma das principais reclamações de caminhoneiros que ameaçam fazer uma paralisação nacional. A categoria foi uma importante base eleitoral para Bolsonaro na eleição de 2018.

 

Por Wellington Nascimento

 

 

 

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Você pode gostar
posts relacionados