sexta-feira, setembro 24, 2021

Produção e comercialização de caminhões têm seu melhor agosto desde 2013

A Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) divulgou nesta quarta-feira, 8, o levantamento mensal de agosto da indústria automobilística. O destaque vai para o segmento dos pesados, em que a produção e a comercialização de caminhões atingiram suas melhores marcas para um mês de agosto desde 2013.

Em relação à produção, foram 15 mil unidades de caminhões fabricadas em agosto, um aumento de 1,1% em relação ao mês de julho. Já no mercado interno, foram 13 mil unidades comercializadas, número 8,1% maior que o mês anterior. O destaque foi para o setor do agronegócio, principalmente na parte de grãos e de cana de açúcar.

Gustavo Bonini, vice-presidente da Anfavea, também cita como destaques positivos da comercialização de caminhões os setores da mineração e de carga geral.

Veja também: Os números da indústria automobilística em julho

O setor do agronegócio é o que mais se destaca na produção de caminhões em agosto
Colheita de soja no Piauí – O agronegócio é o setor que mais impulsiona a venda de caminhões

Veículos elétricos

Os veículos elétricos e híbridos tiveram participação recorde nas vendas em agosto, com 3.873 unidades, 2,4% de todo o mercado. Para os próximos meses, o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, comunicou que o levantamento da associação trará mais dados a respeito dessas novidades do mercado automobilístico.

Ônibus se mantém com números estáveis

O mercado de ônibus segue com números estáveis por conta da pandemia do coronavírus. Foram 1.300 unidades comercializadas em agosto, mesmo número em relação a julho.

Bonini destaca a queda da participação do programa ‘Caminho da Escola’, do Governo Federal, com apenas 13% do acumulado de agosto. Em meses anteriores, este índice chegou aos 30%. O setor rodoviário representou no mês cerca de 17% do mercado interno de ônibus.

Na produção, as 1.500 unidades fabricadas em agosto atingiram a mesma marca do mês anterior. No acumulado do ano, de janeiro a agosto, foram 13.400 unidades fabricadas. Este número é melhor que no mesmo período em 2020, mas bem abaixo de 2019, quando a produção de ônibus chegou a marca de 19.400 unidades.

Previsão para os próximos meses

Moraes acredita que a falta de semicondutores na indústria automobilística deixa como imprevisível o cenário da indústria para o restante do ano:

“Essa situação dos semicondutores traz uma enorme imprevisibilidade para o desempenho da indústria no restante do ano. Num cenário normal, estaríamos produzindo num ritmo acelerado nesta época do ano, quando as vendas geralmente ficam mais aquecidas. Neste ano, temos a volta da demanda, mas infelizmente uma quebra considerável na produção”, disse o presidente da Anfavea.

Segundo ele, mais de 4 milhões de veículos não foram produzidos pela falta de semicondutores. No terceiro trimestre do ano, é previsto a perda de mais 3 milhões.

 

Por Wellington Nascimento com informações da Anfavea

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Inscreva-se nos nossos informativos

Você pode gostar
posts relacionados