sábado, setembro 25, 2021

Projeto pretende recuperar pontos impactados pelas obras da BR-319

Com o objetivo de recuperar pontos impactados pelas obras da BR-319, o Governo Federal, por meio do Ministério da Infraestrutura, abriu licitação para escolher a empresa que vai elaborar o Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) da rodovia. O objetivo é tornar a rodovia um modelo mundial de preservação ambiental 

O projeto prevê ações de recuperação como o plantio de mais de 120 mil mudas, hidrossemeadura (técnica usada em restaurações ambientais que envolve a pulverização de uma mistura de sementes para um plantio mais rápido. Nas estradas, é utilizada na estabilização de encostas e taludes) em mais de 1 milhão de metros quadrados, a construção de diques para controle erosivo em mais de 1 mil metros quadrados, entre outras ações.

A BR-319

A rodovia possui mais de 800 km e é a única ligação rodoviária do Amazonas com Rondônia e o resto do Brasil. Conhecida também como Rodovia Manaus–Porto Velho, a BR-319 tem início no município de Manaus, capital do Amazonas, e finaliza em Porto Velho, capital de Rondônia.

Ponte precária na BR-319
Ponte precária na BR-319
Imagem: CNT

Após a inauguração em 1976, a BR-319 podia ser percorrida de Manaus a Porto Velho em cerca de 12 horas. Mas, por falta de manutenção regular da rodovia, tornou-se praticamente intrafegável a partir de 1988.

Ou seja, só funcionou plenamente durante 12 anos. Desde então, pelo fato da rodovia cortar um dos trechos de reserva ambiental na floresta amazônica, o asfalto foi retirado de maneira proposital.

Sem as obras na BR-319 e com a chegada das chuvas, a situação fica ainda pior e os atoleiros atrapalham bastante o percurso dos condutores. Algo que gera inúmeras discussões entre autoridades sobre as condições da estrada e quais ações devem ser tomadas para ocorrer melhorias nas pistas.

Governos anteriores alegaram que, pelo fato da rodovia exigir obras complexas, devido à delicadeza de abrir caminho na parte mais intocada da floresta, não foi possível avançar na intenção de executar algo semelhante ao que está previsto nesta licitação. 

O Pé na Estrada passou por lá e mostrou um pouco da situação. Veja no vídeo abaixo:

O processo de licitação

A ação atende às exigências do Ibama para a recuperação das áreas afetadas pelas obras na BR-319 e do ecossistema local. O edital para contratação da empresa por meio de pregão, foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) de quarta-feira, 21/07.

Segundo o DNIT, responsável pela escolha da empresa, a licitação é feita por meio da modalidade pregão, e os interessados já podem enviar as propostas pelo site www.comprasnet.gov.br. A abertura das proposições recebidas será realizada no dia 2 de agosto de 2021, pelo mesmo site.

Veja Também: Tá rodando em Brasília – pedágio da BR-040, conclusão da BR-319 e debate com Petrobras

Os trabalhos na rodovia

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, reforçou o objetivo de aliar pavimentação asfáltica com sustentabilidade ambiental. “Os trabalhos na BR-319 estão sendo feitos para reforçar o compromisso deste governo da junção do desenvolvimento em infraestrutura com a proteção ao meio ambiente”, afirmou.

Na década de 1970, a rodovia chegou a ser completamente asfaltada, mas, atualmente, apenas dois trechos estão pavimentados: os primeiros 198 quilômetros e os 164 quilômetros finais. 

A BR-319 também contará com 20 passagens de fauna aéreas e 12 subterrâneas com cercas direcionadas para garantir a preservação dos animais que cruzam a rodovia. Recuperar a estrada é uma das grandes prioridades de investimentos na área de infraestrutura na Região Norte do Brasil. 

Por Daniel Santana adaptado com informações do Ministério da Infraestrutura

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Inscreva-se nos nossos informativos

Você pode gostar
posts relacionados