domingo, outubro 25, 2020
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Projeto propõe uso de práticas internacionais em ferrovias

- Publicidade -

O Marco legal das ferrovias, Projeto de Lei do Senado 261, está sendo analisado. A iniciativa do senador José Serra (PSDB) pretende incorporar práticas adotadas em outros países para desenvolver a malha ferroviária para o transporte de cargas e de passageiros.

Leia também: Ferrovia que ligará Brasília e Entorno é adiada para 2020

ferrovia
Imagem: Programa de Aceleração do Crescimento/Agência Senado

Assista ao vídeo: Aumento de ferrovia é risco para caminhão?

A proposta inclui a autorização para a exploração de ferrovias pelo setor privado. Além disso, o reparcelamento do solo com a sociedade de proprietários de imóveis são novas estratégias apresentadas para o desenvolvimento do setor.

Em vez de uma lei que alteraria outros decretos e leis, o relator do projeto, senador Jean Paul Prates (PT) optou por fazer uma lei específica para organizar o transporte ferroviário.

“O setor ferroviário do Brasil já vem crescendo bastante nos últimos 10, 15 anos. Praticamente dobrou de tamanho. É uma necessidade do país. Há capacidade de investimento interna e externa para o setor ferroviário”, afirma.

Sobre as regras do procedimento de concessão das ferrovias, a mudança feita pelo relator foi fixar prazo para a autorização de concessão. O prazo determinado será de 25 a 99 anos, proposto pelo requerente, já que é ele quem será hábil para avaliar o período necessário para descontar os investimentos que vai realizar.

Se for aprovado pela Comissão de Infraestrutura (CI), o projeto deverá passar ainda pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde terá decisão terminativa, ou seja, não deve passar pelo Plenário, a menos que haja recurso. Em seguida, o projeto segue para a Câmara.

 

Ferrovias no Brasil e outros países

grafico ferroviasSegundo a União Internacional de Vias Ferroviárias, o Brasil ocupa a nona posição em extensão de linhas de trens, com mais de 30 mil quilômetros de malha.

No entanto, em relação à qualidade da infraestrutura, segundo o Fórum Econômico Mundial, em 2018, o país está na 88ª posição entre 137 analisados. De acordo com dados do Ministério da Infraestrutura, dos 28,2 mil quilômetros da malha ferroviária em regime de concessão, 30,6% estão inoperantes.

Para o senador, um modelo possível é “manter a presença estatal nos segmentos onde ele seja realmente necessário, e, ao mesmo tempo, atrair investimentos privados para a construção da infraestrutura em regime de competição onde haja interesse do mercado”, como se deu nos Estados Unidos.

 

Adaptado de Agência Senado

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Você pode gostar
posts relacionados