quinta-feira, outubro 29, 2020
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Proposta de tabela de fretes referencial é recusada por autônomos

- Publicidade -

As reuniões sobre acordos coletivos por categoria para definir o piso mínimo do frete seguem acontecendo em Brasília e reunindo representantes dos caminhoneiros e indústria. Na última terça-feira, 6, setores industriais apresentaram uma proposta para uma tabela de fretes referencial, que não foi aceita pelos motoristas autônomos.

Leia também: Governo quer que caminhões usem gás natural ao invés de diesel

tabela de fretes referencial

Segundo a Confederação Nacional da Indústria, a tabela de fretes referencial envolve a “construção de uma metodologia de cálculo que estabeleça parâmetros viáveis de negociação entre as partes para o cálculo do valor do frete”.

De acordo com Nelson Júnior, presidente do Sindicam de Barra Mansa, na próxima semana representantes da indústria se reunirão com representantes dos caminhoneiros para seguir a discussão sobre o piso mínimo.

Desde a época das manifestações de caminhoneiros em 2015, que reivindicava, entre outras coisas, o preço do frete, uma tabela de fretes referencial já existia. Porém, por não ser obrigatória, as empresas não se baseavam nela para estabelecer o preço do frete. Ao longo dos anos, as insatisfações se acumularam, resultando na Greve dos Caminhoneiros de maio de 2018.

Acordos coletivos são a solução apresentada aos caminhoneiros pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas. Para resolver a questão do frete, o ministro sugeriu a elaboração de acordos entre motoristas, embarcadores e transportadores de cada categoria de carga para definir piso mínimo de frete.

 

Por Pietra Alcântara

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Você pode gostar
posts relacionados