Um homem trafega por uma rodovia do Maranhão narrando os acontecimentos. “Adivinha quem está botando fogo na paisagem aqui?” ele pergunta. “Será que é para derrubar o governo Bolsonaro? Não duvido de nada” completa, mostrando as chamas se espalharem em uma área verde na beira da estrada e avisando que aquele é um local de aldeia de índios. Depois, ele filma um veículo com funcionários ateando fogo na mata e explica que se trata de uma queimada provocada pelo Ibama. Esse cenário soa familiar?

Leia também: Clonagem de documentos: 4 dicas para não cair no golpe

queimada provocada pelo ibama
Queimada provocada pelo Ibama: verdadeiro ou falso? | Imagem: Retirada do vídeo

Essa é a descrição de um vídeo divulgado via WhatsApp, que tem circulado nos últimos dias. Segundo o homem que narra o vídeo, o trecho que ele roda fica entre Sítio Novo e Montes Altos, municípios do Maranhão. Até mesmo quem não conhece a identificação visual do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), ao ver o vídeo, consegue perceber que tanto os funcionários que ateiam fogo quanto o veículo usado estão devidamente identificados.

Veja o vídeo:

Será que o vídeo é um flagrante de ação criminosa do Ibama? Para saber a resposta, entramos em contato com o órgão.

 

Verdadeiro ou falso?

O vídeo é verdadeiro. Funcionários do Instituto estavam realmente ateando fogo na mata. Sendo assim, é possível afirmar que se trata de uma queimada provocada pelo Ibama. Era uma queimada ou incêndio criminoso? Não. Continue lendo e entenda melhor.

A ação realizada no vídeo era uma queima prescrita, utilizada durante o período chuvoso e no início do período de seca na região em locais com maior risco de queimadas.

A ação é permitida pelo artigo 38 da Lei 12.651 de 2012, que permite “queima controlada em Unidades de Conservação” visando a conservação da vegetação nativa. Traduzindo, quando o objetivo é preservar a área, a lei permite o uso do fogo.

Mas como atear fogo pode ajudar a preservar uma área verde? O Ibama explica:

“Como boa parte dos incêndios florestais iniciam nas beiras de estradas, a realização das queimas nesses locais, como no caso do vídeo, é prioritária. As queimadas filmadas foram previamente informadas aos órgãos competentes e tiveram acompanhamento da Polícia Militar do Maranhão para garantir a segurança no trânsito da estrada”.

A ideia é atear fogo, de maneira controlada, na área verde que fica na beira da estrada. Dessa forma, quando houver um início de fogo na região que já foi queimada, o mesmo não se alastrará para outras áreas.

 

“É para derrubar o governo Bolsonaro?”

A indagação do homem que gravou o vídeo em relação ao motivo da queimada provocada pelo Ibama não é nova. Mas por que o nome do atual presidente é lembrado quando falamos de fogo ilegal em áreas florestais?

Em 2019, o Brasil foi notícia internacional e esteve no centro de polêmicas diplomáticas após queimadas criminosas serem flagradas na floresta Amazônica, que é uma grande área de preservação florestal.

Segundo o jornal El País, durante o primeiro ano de mandato de Jair Bolsonaro, queimadas na região amazônica aumentaram em 30%, em comparação com o ano anterior. A maior floresta tropical do mundo teve 89.178 focos de fogo em 2019. A destruição ilegal de vegetação e os incêndios provocados são, de acordo com especialistas, parte do processo de criação de pastagens para gado ou plantações. 

Em 2020, em meio a pandemia da covid-19, que desencadeou crises de saúde pública e também na economia do país, o assunto deixou de ser foco da imprensa. Essa é uma constatação do próprio ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que descreveu o momento como ideal para “ir passando a boiada e mudando todo o regramento e simplificando normas”.

A declaração foi feita em uma reunião ministerial no dia 22 de abril, que teve seu conteúdo gravado e divulgado posteriormente. Salles se referia a mudanças nas regras ligadas à proteção ambiental e à área de agricultura.

Por estar envolvido em polêmicas relacionadas a queimadas ilegais, o governo atual ainda é lembrado quando a discussão envolve esse assunto, como é possível observar no vídeo.

 

Queimadas criminosas

Os incêndios em áreas verdes muitas vezes são provocados por ações humanas. De acordo com o pesquisador Alberto Setzer, coordenador do Programa Queimadas, vinculado ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), 99% dos incêndios em geral são provocados por ação humana, de maneira intencional ou não.

Alguns utilizam o fogo para limpeza de terrenos, queima de lixo, fogueiras e queimadas para fins agrícolas não autorizadas.  O Grupo de Saúde Ocupacional da Agroindústria Sucroenergética aponta que, além das ações criminosas, a bituca de cigarro é a maior causadora de incêndios em rodovias brasileiras.

Por isso é importante alertar quem está sempre no trecho a não jogar bitucas de cigarro pela janela e a ficar atento ao flagrar uma queimada.

O caminhoneiro pode ajudar na identificação, avisando as autoridades assim que puder. Por isso é importante ter à mão os contatos do Corpo de Bombeiros (193), da Guarda Municipal (153) e das Brigadas de Combate a Incêndios Florestais.

Para denunciar uma queimada criminosa, ligue para a CNT no número 0800 728 28 91 ou para o IBAMA, através do número 0800 61 8080. Certifique-se de estacionar o veículo em local seguro para telefonar ou peça para que o passageiro o faça. Informações da cartilha “Queimadas, o que fazer?”.

 

Segurança

As queimadas comprometem a segurança do motorista, já que a fumaça reduz a visibilidade, o que pode levar a acidentes e principalmente colisões traseiras. Por isso, tomar algumas medidas de segurança é importante nessas horas:

  • fechar o vidro do veículo;
  • manter distância segura do veículo da frente;
  • trafegar com farol baixo aceso;
  • não ligar o pisca alerta com o veículo em movimento;
  • não parar na faixa de rolamento.

 

Por Pietra Alcântara

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here