sexta-feira, outubro 30, 2020
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Volkswagen promete investimentos e prevê crescimento para 2020

- Publicidade -

A Volkswagen Caminhões e Ônibus fez seu tradicional almoço de fechamento de ano com a imprensa, quando a marca relembra todos os acontecimentos importantes do ano no setor e também faz suas previsões para o ano seguinte.

Leia também: Projeto propõe uso de práticas internacionais em ferrovias

veículos comerciais elétricos

O destaque em 2019 ficou para a recuperação de vendas e as expectativas para 2020 incluem investimento na linha de montagem dos veículos elétricos e crescimento entre 5 e 10% do total de vendas.

 

2020, aqui vamos nós

Sempre muito otimista, Roberto Cortes, CEO da Volkswagen Caminhões e Ônibus, declarou que tem ótimas expectativas para 2020. A montadora agora faz parte do Grupo Traton e é uma empresa de capital aberto, por isso não pode dar números tão precisos em suas previsões como em anos anteriores, ainda assim, Cortes anunciou que espera crescer entre 5 e 10%.

O CEO destacou ainda que ano passado tinha feito uma previsão de crescimento de 2 dígitos, mas não imaginava que seriam dois dígitos tão altos, já que a montadora aumentou em 32,3% suas vendas de caminhões e ônibus, ainda sem contar o mês de dezembro.

 

2019 para a Volksvagen

A montadora trabalhou na produção e desenvolvimento de veículos elétricos durante este ano. Hoje, dois de seus protótipos de caminhões elétricos estão sendo usados na Ambev. Segundo Cortes, ainda este ano terão mais 17 veículos do tipo. O objetivo é viabilizar a comercialização dos caminhões no segundo semestre de 2020.

Já no segmento de ônibus, em 2019 foram 20 mil unidades entregues. Na Fenatran, a marca apresentou 15 novos modelos, além da chegada da marca RIO e da gestão Volks Care.

Módulo RIO instalado em caminhão MAN
Módulo RIO instalado em caminhão MAN

O CEO também destacou o desempenho da marca ao atuar no transporte de bebidas. Em 2019, a montadora vendeu 1.500 produtos destinados ao segmento na América Latina, 1.100 apenas no Brasil.

Falando no futuro, Roberto Cortes acredita que tempos melhores virão e falou um pouco sobre a relação de desempenho da indústria de caminhões com o PIB nacional. “O que vende caminhão é o PIB”, afirmou na ocasião. Para ele, o momento econômico evidencia um viés de alta no PIB, o que pode trazer novidades para o segmento.

 

Por Paula Toco

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Você pode gostar
posts relacionados