segunda-feira, abril 19, 2021

Abcam pede baixa no preço do combustível e faz ameaça de greve geral

O preço do combustível no país tem sido motivo de reivindicação de caminhoneiros nos últimos dias. Nesta segunda-feira, 14, a Associação Brasileira de Caminhoneiros (Abcam) protocolou um ofício ao presidente Michel Temer, exigindo baixa do preço do combustível, principalmente o diesel. Caso isso não aconteça, a organização faz ameaça de greve geral.

A associação deu prazo até o próximo domingo, 20, para que uma negociação sobre o assunto se inicie, com a indicação de uma paralisação em nível nacional caso isso não aconteça. Confira o documento na íntegra neste link.

Com seis páginas, o documento pede a redução a zero das alíquotas da contribuição para o PIS/Pasep e Cofins, e a isenção da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide), tributos que incidem sobre o combustível. Os impostos são os principais causadores da alta do preço do combustível, conforme a repórter Paula Toco explicou neste vídeo.

De acordo com levantamento feito pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), nos últimos 12 meses o preço médio de revenda do óleo diesel subiu aproximadamente 15,9%. No mesmo período, com o decreto 9.101/17, o governo aumentou a alíquota do PIS/Pasep, que recai sobre o litro do combustível, de R$ 0,2480 para R$ 0,4615, majoração de 86,1%.

Uma avaliação da Abcam sinaliza ainda que, somado aos impactos do aumento das alíquotas, nos últimos cinco anos, com base em levantamento da ANP, a margem de revenda no óleo diesel dos postos de combustíveis subiu de R$ 0,272 o litro para R$ 0,353, em termos absolutos, e manteve-se estável em termos percentuais.

Na visão da associação, isso significa que os postos estão repassando integralmente os aumentos praticados pela Petrobras, o que contribui para elevar ainda mais o principal custo da atividade do transportador autônomo.

 

Sistemas de auxílio ao motorista autônomo

preco_do_diesel

No texto, a Abcam sugere que o Governo Federal crie sistemas que auxiliem os estradeiros, para combater as altas. Entre as sugestões, estão:

  • Um Fundo de Amparo ao Transportador Autônomo destinado ao custeio de um programa para aquisição de óleo diesel, sendo a sua principal fonte de recursos composta por qualquer contribuição que o governo federal achar conveniente;
  • Sistema de subsidio para aquisição de óleo diesel por parte dos transportadores autônomos.

Porém o governo já sinalizou que não pretende abrir mão de impostos para conter a alta no preço dos combustíveis. Em entrevista ao portal G1 na última sexta-feira (11), o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, afirmou que, com o problema fiscal enfrentado pelo país atualmente, não existe nenhuma possibilidade de redução tributária.

Segundo o documento elaborado pela associação, o transporte de cargas é responsável, no Brasil, por 55,2% do PIB do setor de transporte, a partir de dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2014, válidos até 2017.

 

Greve geral

Apesar de sinalizar com o dia 20 como uma espécie de indicativo de greve, o presidente da Abcam José da Fonseca Lopes informa que o objetivo da associação é conseguir sentar em uma mesa de negociações com o governo dentro desse prazo, de modo que as reivindicações do setor sejam ouvidas.

Fonseca informa ainda que a expectativa é que outras categorias do setor de transporte, que dependem do diesel ou mesmo da gasolina, participem também do ato, caso não haja negociações até o dia 20, e que o objetivo é que a redução dos impostos aconteça também para os outros combustíveis.

“Informamos que caso não tenhamos apoio deste governo federal, uma paralisação geral será inevitável em âmbito nacional, e aí sim mostraremos que nós, cidadãos, temos sim direito à escolha”, conclui o documento, disponível no site da associação, com o carimbo de protocolado na Presidência da República.

A Abcam enfatiza que é contrária a paralisações que interrompem rodovias pelo país. Segundo a associação, objetivo é, caso as reivindicações não sejam atendidas, que os transportadores autônomos paralisem as atividades, sem atos que impeçam a circulação por estradas e avenidas.

A Abcam afirma não estar ligada à nenhuma das manifestações desta semana, nas BRs 381 e 040, em Minas Gerais e na BR 324 na Bahia.

 

Por Pietra Alcântara com informações da Gazeta do Povo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Você pode gostar
posts relacionados