Na última sexta-feira, 15, a Advocacia-Geral da União (AGU) defendeu a tabela de frete no Supremo Tribunal Federal (STF). Foram dadas 48h para que a ANTT e o governo fizessem a defesa da tabela e da Medida Provisória 832 – responsável por instituir a nova tabela – contra as acusações de inconstitucionalidade da tabela, feiras por representantes do agronegócio.

O parecer da advocacia foi enviado à Corte por meio de mensagem do presidente Michel Temer, uma formalidade por ocupar a chefia do Executivo e ser o responsável pela assinatura da medida provisória que tratou da matéria.

defesa_da_tabela

De acordo com a AGU, a fixação do preço mínimo do frete tenta garantir valor adequado para a prestação do serviço, que deve ser compatível com os custos incorridos no transporte rodoviário de carga. As informações são da Agência Brasil.

A AGU lembrou na manifestação que o mercado de transporte rodoviário apresenta descasamento entre a oferta e demanda, fato que mantém os preços abaixo do custo. Essa é uma realidade bem conhecida pelos caminhoneiros, uma vez que antes da tabela, os preços de frete muitas vezes não pagavam as despesas das viagens.

 

O Pé na Estrada foi atrás de exemplos que comprovam que fretes abaixo do valor da tabela não pagam valores justos aos motoristas. Usamos anúncios de carga reais e fizemos os cálculos:

Exemplo 1

Origem: Belém/PA

Destino: Itajaí/SC

Veículo: Carreta, Carreta LS

Carroceria: Baú

Produto: Diversos (carga geral)

Preço do frete: R$ 5.300,00

Distância: 3.510 km

Considerando que o caminhão, que possui 6 eixos, consumirá uma média de 2 km/l e que o diesel custa, em média, R$ 3,30, somente os custos com combustível custarão ao caminhoneiro R$ 5.713,84. Com os pedágios, que totalizam R$ 783,60, a viagem custará R$ 6.497,44.

Ou seja, com o frete oferecido, o motorista ainda teria de “pagar” R$ 1.197,44 para trabalhar.

Agora, se o frete fosse cobrado de acordo com a nova tabela, o valor mínimo seria R$ 18.532,80

 

Exemplo 2

Origem: Belém/PA

Destino: Osasco/SP

Veículo: Carreta

Carroceria: Baú

Produto: Motos (carga geral)

Preço do frete: R$ 5.034,00

Distância: 2.921 km

O anúncio ainda avisa que, na realidade, o preço do frete mostrado no anúncio é uma junção de frete R$ 4.400,00 + pedágio R$ 534,00 + puxada R$ 100,00, totalizando os R$ 5.034,00.

Considerando que o caminhão possui 5 eixos e que consumirá em média 2 km/l, com o diesel a R$ 3,30, o estradeiro gastará R$ 4.753,30 só com combustível. Mais o pedágio, que custará R$ 509,50 para essa viagem, o valor gasto total fica em torno de R$ 5.262,80.

Ainda assim, o motorista ficaria no prejuízo, tendo que arcar com R$ 228,80.

Se o frete fosse cobrado de acordo com a nova tabela, o valor mínimo seria R$ 12.676,40.

 

Exemplo 3

Origem: Feira de Santana/BA

Destino: Pereira Barreto/SP

Veículo: Bitruck

Carroceria: Baú, Sider

Produto: Paletes

Preço do frete: R$ 2.500,00

Distância: 1.973 km

Com um caminhão com 4 eixos e que consumirá em média 2 km/l, com o diesel a R$ 3,30, o estradeiro gastará R$ 3.295,61. Ou seja, o motorista ainda fica no prejuízo, já que o frete oferecido não cobre toda a despesa, faltando R$ 795,61.

Se o frete fosse cobrado de acordo com a nova tabela, o valor mínimo seria R$ 7.023,88.

Baseado nesses exemplos, fica claro que a tabela de preço mínimo de frete é necessária para que os estradeiros não precisem “pagar para trabalhar”.

 

Audiência pública

O ministro Luiz Fux ainda convocou para a próxima quarta-feira, 20, uma audiência pública com representantes de governo, empresários, caminhoneiros e Procuradoria Geral da República. Ele pretende ouvir os argumentos de todos antes de tomar uma decisão sobre as ações, que pedem a suspensão da eficácia da MP.

Devem participar as seguintes autoridades ou representantes:

  • Advogada-Geral da União
  • Ministro dos Transportes;
  • Diretor da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT);
  • representante da Associação do Transporte Rodoviário de Carga do Brasil (ATR Brasil);
  • representante da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA);
  • Procuradora-Geral da República

Somente depois de uma audiência é que o ministro se manifestará sobre a legalidade da medida e se mantém ou suspende a MP.

Por enquanto, a tabela está valendo. Muitos se perguntam o que deve ser feito quando uma transportadora oferece frete abaixo da tabela. Como o órgão responsável pela elaboração do documento é a ANTT, orientamos motoristas a fazerem denúncias na ouvidoria da agência, pelo telefone 166 ou pelo e-mail ouvidoria@antt.gov.br.

Ainda assim, entramos em contato com a ANTT para saber qual o posicionamento da agência em relação às denúncias. Assim que as respostas forem enviadas, divulgaremos em nossos portais.

 

Por Pietra Alcântara

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here