sábado, fevereiro 27, 2021

Aumento do diesel x valor do frete

- Publicidade -

Na segunda-feira, 8 de fevereiro, a Petrobrás anunciou mais um reajuste do preço do diesel e da gasolina nas refinarias. O aumento do preço passou a valer na terça-feira dia 9. A gasolina foi reajustada em R$ 0,17 por litro, chegando a R$ 2,25 por litro. Já o aumento do diesel foi de R$ 0,13, chegando a R$ 2,24 por litro. Esse é o segundo aumento do diesel no ano. Mas e o valor do frete, aumenta também?

A grande reclamação do setor de transportes é que o valor do frete não acompanha o aumento do diesel. Esse novo valor, por exemplo, dificilmente conseguirá ser repassado na íntegra aos embarcadores.

 

Aumento do diesel x valor do frete – Lei do Piso mínimo

A lei do piso mínimo foi criada exatamente para tentar resolver a questão. Os valores são reajustados duas vezes ao ano, no fim de janeiro e julho, ou toda vez que houver variação dos preços de mais de 10%, para cima ou para baixo.

A última mudança de valores foi feita em 18 de janeiro e já contemplou os aumentos anteriores do diesel, ou seja, a nova variação do diesel não deve gerar alteração nos números liberados pela ANTT.

Os valores publicados são a base para se fazer o cálculo do frete (se quiser aprender a calcular esses valores, clique aqui), que leva em consideração o tipo de carga, a quantidade de eixos do conjunto, se o motorista é dono apenas do cavalo mecânico ou dos implementos também e a quilometragem. Se você tiver dificuldade de fazer as contas, consulte a nossa calculadora de fretes aqui.

A constante subida do combustível sem acompanhamento do frete é sempre a principal pauta dos caminhoneiros quando surgem boatos de greve. A que estava marcada para 1º de fevereiro não ocorreu, mas a ANTT se pronunciou afirmando que iria intensificar as fiscalizações da aplicação do piso mínimo, para que as variações de preço do diesel não atingissem tanto o bolso do transportador.

Greve de caminhoneiros tem baixa adesão
Caminhoneiros penduram faixas na Rod Regis Bittencourt

 

Política de preços

A empresa divulgou, em outubro do ano passado, um estudo em que afirma que as mudanças de preço nas refinarias não deveriam alterar tanto o valor na bomba. Segundo a Petrobras, o preço da gasolina na refinaria é apenas 30% do valor final e do diesel é apenas 49%.

Além do custo da refinaria, o valor pago pelo consumidor na bomba ainda tem acrescidos impostos como CIDE, PIS/PASEP e Confins, os impostos estaduais, ou seja, o ICMS, o custo do biocombustível que precisa ser misturado e as margens de lucro de distribuidoras a revendas.

Com esses dados, a empresa tenta explicar que um aumento de 13 centavos na refinaria não deveria, necessariamente, refletir em de aumento de 13 centavos na bomba. O mesmo vale para quando o valor cai.

A Petrobras reforçou ainda que não fez nenhuma mudança em sua política de preços. Os valores continuam variando de acordo com o preço internacional do petróleo e sofrendo impacto da flutuação do preço do dólar em relação ao real.

 

Por Paula Toco

1 COMENTÁRIO

  1. Paula Toco, excelente reportagem.

    A pergunta que deve ser feita é: O brasileiro consegue sobreviver se todo transportador e produtor fizer o repasse o do aumento do combustível??

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Você pode gostar
posts relacionados