O sinal de que o Carnaval e o primeiro bimestre do ano já passaram, para muitos, é ver as prateleiras do mercado lotadas de ovos de Páscoa, anunciando que o feriado se aproxima. Quem as vê não imagina o esforço logístico e de planejamento necessários para que o produto esteja nos pontos de venda em perfeito estado e no período e quantidade certas.

Toda essa logística envolve três estruturas: os fabricantes, as distribuidoras e o varejo. Tudo começa com pelo menos um ano de antecedência, quando as estratégias comerciais e de marketing são pensadas, definindo e projetando os volumes dos ovos de Páscoa e outros produtos típicos da época a serem produzidos.

Com base nisso, o planejamento logístico para distribuição e entrega dos produtos é feito, abrangendo toda movimentação da mercadoria desde a fábrica, até os centros de distribuição e, por fim, o abastecimento dos pontos de venda. Os primeiros produtos, em geral, costumam ser distribuídos em dezembro, com a maior parte dos volumes sendo entregues até um mês antes da Páscoa. Se necessário, podem ser feitas entregas extras até o final de semana do feriado.

Armazenamento e transporte

logística dos ovos de Páscoa

Devido ao prazo, os centros de distribuição devem estar devidamente equipados para estocar os ovos de Páscoa e mantê-los nas condições ideais até que possam seguir viagem até os pontos de venda. Maurício Almeida, diretor sênior de operações da DHL Supply Chain, explica que as condições da estocagem e do transporte devem ser precisas. “Nos centros de distribuição geridos pela DHL, a temperatura e umidade também são controlados e monitorados por meio de antenas espalhadas por toda a área de estocagem”, ele conta. Almeida ainda acrescenta que, os pallets dos ovos, devido sua fragilidade, não podem ser empilhados, sendo dispostos lado a lado – o que demanda um espaço grande de armazenagem que pode chegar a 15.000 m². Para o transporte, a temperatura indicada fica entre 14 a 20°C.

 

Por que é mais caro?

logística dos ovos de Páscoa

Cláudio Czapski, superintendente da ECR Brasil, conta que todos esses quesitos exigidos para o transporte e armazenamento dos ovos de Páscoa são os fatores que encarecem o produto, quando comparado às barras de chocolate. “Uma barra de chocolate ocupa volume muito menor em comparação aos ovos de Páscoa, além da embalagem que é mais barata”, explica. Cláudio ainda esclarece que as vendas da Páscoa são ações pontuais, pois é um produto que tem saída somente em um período do ano específico. “A barra é um produto que pode ser vendido o ano todo. Mesmo que não pareça, os ovos e as barras de chocolate são produtos bem diferentes, quando pensamos na logística que os leva até os pontos de venda”, conclui.

Durante todo o período de recolhimento, estocagem e distribuição dos produtos, o pico das operações ocorre a partir de 60 dias antes da data oficial e se intensifica na semana que antecede o domingo de Páscoa. “Chegamos a contratar 100 pessoas nos períodos mais críticos”, comenta Almeida, falando sobre as operações da DHL.

O varejo também fica atento aos cuidados especiais exigidos pelos produtos destinados à Páscoa, fazendo o possível para que os estoques tenham o máximo de saída. Mesmo assim, quando há sobra dos produtos, os próprios pontos de venda se encarregam de ações como promoções e descontos especiais, para que não haja desperdício.

 

Os ovos e a crise

A instabilidade financeira do país tem refletido em todos os setores, e os dos produtos destinados à Páscoa não ficam para trás. Nos últimos dois anos, o diretor sênior de operações da DHL conta que a distribuidora tem enfrentado como desafio a diversificação dos pontos de venda, que demanda um maior fracionamento da armazenagem para que os produtos e volumes certos cheguem a cada parceiro varejista. “Esse crescimento reflete a tendência do mercado como um todo de chegar cada vez mais próximo ao consumidor”, explica.

Outro desafio tem sido o aumento da variedade de produtos para a Páscoa, além da preferência do consumidor por produtos mais baratos, como barras de chocolate. De acordo com um levantamento feito pelo ISV – Instituto Soluções Varejo em parceria com a FCDLESP, 60% da expectativa de vendas para essa Páscoa se concentra em barras de chocolate, bombons e outros presentes alternativos para a época.

Caminhoneiro da páscoa

logística dos ovos de Páscoa

O coelhinho leva o crédito, mas é o caminhoneiro que traz um ovo, dois ovos, três ovos assim. Pelas embalagens bem feitas e pela exigência de não se empilhar paletes, nem os buracos da via são um problema para o motorista. Mas se não forem carregados de forma correta , os ovos podem sofrer avarias, e aí perdem valor de mercado, afinal, ninguém quer ganhar ovo quebrado.

Segundo o caminhoneiro Carlos Alberto Carcará, se o carregamento não for feito na ordem da entrega, eles precisarão tirar um palete pra pegar um mais de trás, depois colocar de volta, e é nesse mexe-mexe que acontecem as avarias. “Já comecei em Imperatris -MA e terminei em Boa Vista… depois de 8 entregas em Manaus… imagine a bronca!”.

Os ovos podem ser uma simples brincadeira de criança no domingo, mas são assunto complexo de adulto no resto do ano.

Por Pietra Alcântara

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here