quarta-feira, setembro 30, 2020
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Coronavírus: 83% das indústrias enfrentam dificuldades logísticas

- Publicidade -

Qual o impacto do coronavírus na indústria brasileira? Uma pesquisa feita pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra que existem empresas com dificuldades logísticas causadas pelo surto da doença no Brasil.

Leia também: Decreto garante serviços essenciais para setor de transporte

dificuldades logisticas

Conforme a pesquisa, 83% das indústrias consultadas enfrentam dificuldades na logística de transporte, tanto de produtos como de matérias-primas. Somente 17% das empresas estão com o transporte funcionando regularmente.

A pesquisa ouviu 734 indústrias de pequeno, médio e grande porte em todo o país nas últimas quinta e sexta-feira, dias 26 e 27 de março.

O estudo aponta que 92% das indústrias consultadas estão tendo impactos negativos. Desse total, 40% corresponde a empresas muito afetadas, 27% são de empresas medianamente afetadas e 25% de empresas pouco afetadas.

5% das indústrias não foram afetadas pela pandemia, mantendo a rotina, e 3% relataram impactos positivos.

 

Produção, demanda e logística

Além das dificuldades logísticas, muitos precisaram paralisar a produção por conta da crise. A pesquisa aponta que 41% das empresas consultadas  tiveram a produção interrompida. Dessas, 18% não tem previsão de retorno.

Em relação à queda na demanda, 79% das indústrias pesquisadas perceberam redução nos pedidos. Sobre a obtenção de matéria-prima ou insumos, 86% das empresas estão com dificuldade. 15% continuam a obter insumos e matérias-primas com normalidade.

 

Manter pagamentos de rotina

Segundo o levantamento da CNI, três de cada quatro empresas consultadas enfrentam dificuldades para prosseguir com os pagamentos de rotina – tributos, fornecedores, salários, energia elétrica e aluguel. Somente 3% das empresas estão com facilidade para manter os pagamentos.

Entre as medidas tomadas pelas indústrias em relação aos empregados, 58% adotaram o trabalho de casa, ou home office. 47% deram férias para parte dos empregados, 46% afastaram empregados com sintomas e 35% recorreram ao uso do banco de horas. Um total de 21% separou equipes por turnos menores e 19% deram férias coletivas para todos os empregados.

Até agora, 15% das empresas pesquisadas demitiram funcionários.

 

Adaptado de NTC & Logística

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Você pode gostar
posts relacionados