terça-feira, novembro 24, 2020

Justiça reduz aluguel de cooperativa em SC

- Publicidade -

Durante a pandemia, você já pensou em ter o valor do aluguel reduzido? A 3ª Câmara Civil do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), decidiu reduzir o valor do aluguel de cooperativa de transporte de cargas em 30% durante a pandemia.

A cooperativa tem sede em Concórdia e a decisão do Tribunal de SC permite que o aluguel reduzido seja pago durante seis meses.

Leia também: Transporte de passageiros é um dos setores com mais demissões

aluguel de cooperativa
Imagem: Freepik/Banco de Imagens

A medida ocorre de forma a amenizar os prejuízos ocasionados à cooperativa por conta da crise econômica gerada pela pandemia da covid-19.

 

Entenda o caso

O caso foi analisado em agravo de instrumento interposto pela empresa locadora dos imóveis, sob a relatoria do desembargador Marcus Tulio Sartorato. A empresa usou o argumento de que a cooperativa não teve seu faturamento reduzido para justificar a revisão do contrato, ao contrário, teve aumento de demanda no transporte rodoviário de cargas.

Outro apontamento da locadora foi que a revisão do valor do aluguel por via judicial fere a segurança jurídica e a autonomia da vontade.

 

Dificuldades financeiras

Ao julgar a matéria, o relator observou que a cooperativa atua no agenciamento de fretes aos seus associados, e além da matriz comporta outras 60 unidades entre filiais, pontos de apoio e postos de combustíveis. Quase todos os estabelecimentos são locados, destacou o relator, circunstância que gera uma despesa fixa mensal de R$ 907,3 mil.

Conforme informou a cooperativa nos autos, várias operações de transporte que estavam em andamento foram paralisadas ou reduzidas drasticamente, pois os clientes concederam férias coletivas aos funcionários e suspenderam, por tempo indeterminado, as operações.

Em decorrência da pandemia, a área de gestão e controladoria da cooperativa passou a monitorar diariamente o fluxo financeiro e a emitir pareceres, com a criação de um comitê de crise. Este comitê, segundo consta nos autos, observou queda no faturamento e aumento da inadimplência e indicou a adoção de medidas drásticas para redução de gastos, de forma que a cooperativa pudesse continuar com as intermediações de frete.

Na avaliação do relator, a cooperativa demonstrou a delicada situação financeira que enfrenta por conta da crise ocasionada pela covid-19. Os artigos 317 e 393 do Código Civil, apontou Sartorato, tratam da possibilidade de correção do valor da prestação devida em casos de superveniência de desproporção por motivos imprevisíveis e de força maior.

Assim, o entendimento foi por manter as condições estabelecidas no juízo de origem, com redução em 30% do valor a ser pago no período de seis meses.

 

Por Pietra Alcântara com informações do TJSC

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Você pode gostar
posts relacionados